II Congresso de Missões! Marchai povo de DEUS!


O MARCHAR DA IGREJA E AS PERSEGUIÇÕES (ou ameaças)
Êxodo 14

                A situação pode estar difícil, mas pode complicar ainda mais! Parece que foi assim com o povo de Israel. Fugia de Faraó, mas se depara com o mar. O que fazer?
                O texto de Êxodo 14 fala da perseguição movida por Faraó contra Israel e da providência de Deus no livramento do seu povo.
                 O que dizer sobre as perseguições contra o povo de Deus, que dificultam o seu marchar?
                O marchar do povo de Deus pode ser considerado no sentido de ir em frente para encontrar aquele que Deus quer salvar, aguardando o cumprimento da promessa: o céu. É verdade que Israel deveria ir em frente para tomar posse da bênção que lhe estava reservada: a terra de Canaã, mas também deveria abençoar as famílias da terra.
                As perseguições acontecem por permissão de Deus. Deus disse: “Endurecerei o coração de Faraó, para que os persiga,” (v. 4). O coração de Faraó será endurecido. Este perseguirá o povo de Deus.
                Jó pode ser visto como exemplo de servo do Senhor perseguido por autorização do próprio Deus.
                Nada vai nos acontecer se o Senhor não permitir. O trabalho do Senhor deve continuar com ou sem perseguições. O perdido não pode ficar esquecido.
                Depois, as perseguições podem ser vistas como uma forma usada por Deus para provar os crentes. Israel, que se queixava da situação que estava vivendo, é levado a demonstrar confiança em Deus. “Disse o SENHOR a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem” (v. 15). Marchar para onde, se à frente estava o mar Vermelho?
                Muitas vezes achamos que as estratégias não estão dando certo. Parece que trabalhamos em vão. Ainda assim, marchar é a palavra de ordem.
                As perseguições não impedirão o marchar da Igreja e ainda Deus será glorificado.  Endurecerei o coração de Faraó, para que os persiga, e serei glorificado” (v. 4)
                O cajado de Moisés, que aparece relacionado com o julgamento divino contra o Egito, agora aparece relacionado com a salvação de Israel. A Bíblia de Estudo de Genebra, comentando o verso 13, diz: “No ponto crucial do livramento de Israel, eles tinham que ver que a salvação deles era inteiramente uma obra de Deus. Deus, ao julgar o Egito, ao endurecer o coração de Faraó, ao levar Israel até esse impasse desesperador, encurralados entre os carros de combate de faraó e o mar, preparou o cenário para exibição crucial de seu poder salvador. O Senhor lutará por eles. Eles precisam apenas ficar quietos. E será glorificado o Senhor (14.18)”.
                No marchar, a igreja alcançará os seus objetivos para a glória do Senhor.

Rev. Mário Lopes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presidentes do SC - IPB (Todos)

Dia do Diácono

Agenda