terça-feira, 10 de março de 2015

CONVENCER – FUNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO




CONVENCER – FUNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO
João 16.7-10
               
                Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei (Mt 11.28). O convite é feito pelo Senhor Jesus. Convite que apresentamos esperando que seja aceito, o que não acontece como desejamos. As vezes encontramos quem aceita caminhar com a igreja, sem contudo, responder ao convite do Senhor, chegando no máximo a torna-se religioso, sem um comprometimento com Jesus.
                No texto de João 16.7-10, Jesus diz estar falando a verdade com respeito a sua ida, porque o consolador somente chegaria quando ele partisse. O que vemos é a trindade operando harmoniosamente. O Pai cria, o Filho salva e o Espírito aplica, convencendo. Este convencimento nem sempre leva ao arrependimento e à salvação. Mas é preciso que o Espírito atue, convencendo o pecador.
                Continuaremos a buscar as pessoas para Cristo, usando o convite do Mestre, sem esquecer que a aceitação somente acontecerá pela ação do Espírito Santo, que convence:
                a) do Pecado. O mundo rejeita o Senhor Jesus. A ideia de multidão interessada no evangelho não condiz com as Escrituras. “Porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela” (Mt 7.14). Teremos e já temos grandes concentrações e pequenas conversões genuínas. Mas o mundo está sendo convencido do pecado, e é preciso que encontre lugar de arrependimento.
                b) da Justiça. Jesus veio cumprindo a justiça de Deus, morreu e ressuscitou, vencendo Satanás, mas o rejeitaram. A segunda vinda não terá o mesmo caráter da primeira; Jesus assumirá a condição de Juiz e não a de condenado para salvar. O Espírito convence da justiça.
                c) do Juízo. O julgamento acontece e as pessoas não se dão conta. Vejamos: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3.16-18). Mas saberão que Deus julga com justiça.
                O ser humano entende, embora continue pecando, que o pecado o levará à morte, porque a justiça de Deus tem se manifestado e aponta para o juízo de Deus.
Rev. Mário Lopes