domingo, 1 de novembro de 2015

22º Aniversário da IPAnil

22º Aniversário | 2016

__________________________________________________


21º Aniversário | 2015

Durante o mês de novembro de 2015, estaremos comemorando o aniversário da IPAnil, teremos preletores convidados e bandas/ministério de louvor. Você também é nosso convidado especial, analise as datas e horários e venha agradecer a Deus pelos 21 anos da Igreja Presbiteriana Anil.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A Conversão do pecador

A CONVERSÃO DO PECADOR
           
... sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecado” (Tiago 5.20).

            Coisa difícil para as pessoas aceitarem e compreenderem é a conversão do pecador. Chegam a dizer que o convertido perdeu o juízo, ficou maluco.
            Tiago 5.20 chama a atenção para dizer que Deus converte o pecador do seu mau caminho, perdoando seus pecados e salvando a sua alma.
            A transformação experimentada pelo pecador chega a ser radical. Um exemplo foi o apóstolo Paulo, que antes perseguiu a igreja e, depois, foi perseguido por causa da igreja.
            A história fala de Constantino, imperador romano que, num tempo em que os imperadores perseguiam a igreja, se converteu ao cristianismo. Não posso garantir que nele tenha havido transformação, mas é certo que a perseguição à igreja, no seu governo, cessou.
São várias as consequências para a vida de quem se converte. O apóstolo Paulo, na carta aos Efésios, apresenta uma lista que mostra que a pessoa não anda mais como antes. O que furtava, não furta mais, passando a trabalhar para o seu sustento e ajudar ao necessitado. Deixando de falar palavras impróprias, cuida para que, o que saia da sua boca, seja para a edificação. Longe deve estar toda amargura, gritaria, blasfêmia, malícia (Ef 4.32-5.2).
O resultado final para o convertido é a salvação, porque Deus cobre os seus pecados.

Rev. Mário Lopes

EDIFICANDO O LAR

EDIFICANDO O LAR

“...Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.”
(Josué 24.15)

Um lar é muito mais do que uma casa. Na definição de Abigail Guimarães, “casa é o nosso abrigo das chuvas, do calor, do frio. Lar é abrigo do medo, da dor, da solidão”.
O lar é a mais importante sala de aula. Nele, desde o nascimento até o fim de nossa existência, aprendemos e exercitamos a ciência de conviver. 
Como servos do Senhor, o nosso lar precisa ser ainda mais especial.  Precisa ser um lar cristão.                                                                                                                                                               
Um lar cristão é edificado segundo os propósitos de Deus, e isto não é tarefa fácil. É preciso usar na construção valores espirituais e morais, mais do que dinheiro e bens materiais.
Edificar um lar é tarefa para a vida toda. Ser feliz e fazer nossa família feliz é um desafio para todo dia, especialmente porque há muitos perigos rondando o nosso lar.
As más influências, as impurezas do mundo, os maus costumes, estão sempre à espreita, esperando uma brecha para entrar no nosso lar - abrigo e refúgio da nossa família - desequilibrando-o, procurando miná-lo e fazê-lo ruir. Frente a estes perigos, devemos estar alertas e buscar auxílio em Deus para a proteção do nosso lar.

  Betânia Chiappani

domingo, 20 de setembro de 2015

O ENSINO E A ESCOLA DOMINICAL





O ENSINO E A ESCOLA DOMINICAL

“... e Jesus subiu ao templo e ensinava”.
(João 7.14).
O fundador da Escola Dominical foi Robert Raikes, na Inglaterra, em 1780. Começou o trabalho com adolescentes que se encontravam ociosos e sujeitos aos vícios e aos crimes. Os resultados foram tão grandes que Raikes levou o programa para outras cidades.
                A Escola Dominical começou no Brasil com Robert P. Kalley, pastor congregacional, em Petrópolis, com cinco alunos, no ano de 1855. De lá para cá muita coisa no mundo mudou, mas a importância do ensino bíblico permanece inalterada.
                Há quem queira ensinar? Há quem queira aprender? Subestimar quem ensina é uma atitude mais comum do que se pode imaginar. Às vezes até inconscientemente subestimamos quem ensina. O desinteresse passa por considerarmos que nada será acrescentado por esse ou por aquele que se aventura na arte de ensinar. Sem pensar, acabamos subestimando a própria palavra de Deus.
                Por falta de “alunos”, crentes desejosos de aprender, alguns trabalhos pararam de funcionar. Perde-se tempo com a televisão, com a internet, vendo o que já viu e ouvindo sobre o que se sabe fazer, mas não se investe tempo na casa do Senhor aprendendo alguma coisa nova.
                Sendo verdade que a Palavra de Deus se renova a cada manhã, haverá sempre o que se aprender pelo uso desta Palavra.
                Já vivi experiência com Escola Dominical onde havia mais alunos do que a Igreja tinha de membros. Hoje nem todos os crentes vão a Escola Dominical. Os argumentos são os mais variados: falta currículo adequado, método ultrapassado, professores não preparados. Mas fica bem perguntar: Os crentes que não participam da Escola dominical usam do mesmo rigor com relação ao esporte, aos programas de televisão, aos serviços de internet? E apresentam-se para ajudar a Escola Dominica a ser melhor?
                Jesus ensinava no templo, nas ruas, em vários lugares. E nós devemos ensinar o que Jesus ensinou, livrando as pessoas da ignorância espiritual, promovendo a ética. Procuremos quem queira aprende e o coloquemos em contato com os ensinos de Jesus.
Rev. Mário Lopes

domingo, 30 de agosto de 2015

HABILIDADE PARA AS BOAS OBRAS


HABILIDADE PARA AS BOAS OBRAS
2 Timóteo 3.14-17

            Como reconhecer um verdadeiro cristão? É dito que os primeiros cristãos reconheciam uns aos outros pelas marcas e sinais que apresentavam. Não eram marcas visíveis, mas percebíveis, sendo o amor a principal marca.
             2 Timóteo 3.14-17 exalta a Escritura, dizendo que ela produz seus efeitos, capacitando o crente para realizar aquilo que somente o crente pode fazer, devido à instrução que vem de Deus, que o molda, caracterizando o verdadeiro cristão.
            Não podemos fechar os olhos para o que acontece à nossa volta. Sabemos que viúvas e órfãos estão esquecidos; que crianças são arrastadas para o vício e a prostituição; que trabalhadores, como acontecia antigamente em relação aos escravos, são tratados como objetos, não sendo raro que uma máquina receba muito mais cuidados do que seres humanos.
            Hoje, como no passado, o evangelho deve ser visto como tendo profundas implicações sociais. Aconselhar a prática da caridade e do amor fraternal muitos fazem, mas somente pelo evangelho isto se torna realidade de glórias a Deus. Disse Jesus: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:16). 
            A compaixão cristã, que não é restrita somente aos cristãos, deve ser oferecida a todos indistintamente. Ninguém é tão pobre que não possa oferecer algo e nem tão rico que não precise de alguma coisa. Habilitados para toda a boa obra, saiamos para glorificar o nome de Deus. 
Rev. Mário Lopes




terça-feira, 25 de agosto de 2015

O CULTO E O DOMINGO

Romanos 1.18-23
            A Confissão de Fé ensina que: “A luz da natureza mostra que há um Deus que tem domínio e soberania sobre tudo, que é bom e faz bem a todos, e que, portanto, deve ser temido, amado, louvado, invocado, crido e servido de todo o coração, de toda a alma e de toda a força; mas o modo aceitável de adorar o verdadeiro Deus é instituído por ele mesmo e tão limitado pela sua vontade revelada, que não deve ser adorado segundo as imaginações e invenções dos homens ou sugestões de Satanás nem sob qualquer representação visível ou de qualquer outro modo não prescrito nas Santas Escrituras”. 
            O apóstolo Paulo em Romanos 1.18-23, falando da revelação de Deus, descreve a atitude dos homens que desprezam Deus, não fazendo caso do Senhor.
            A adoração fica estabelecida nas Escrituras. Inclusive, quando Deus resgatou Israel do Egito, foi para que se tornasse sua nação santa e que lhe prestasse culto. Para a Igreja não é diferente, Jesus resgatou a Igreja e quer que esta esteja em adoração ao Seu Nome.
            Estabeleceu ainda o Senhor que um dia em sete fosse separado para dedicação ao Senhor. Que neste Dia houvesse leitura da Palavra de Deus, pregação, cânticos, oração, ministração dos sacramentos para louvor a Deus e crescimento espiritual dos crentes.
            Quando o povo de Deus está reunido em adoração, o lugar onde estão se torna o melhor lugar do mundo.
Rev. Mário Lopes

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Congressos de Missões!

3º Congresso de Missões - 20/08/2017 
 

2º Congresso de Missões | 2016



A Igreja Presbiteriana do Anil, em parceria com a Juventude do INTEV (Instituto de Evangelização e Missões - www.intev.org ), realizará nos dias 26 e 27 de setembro de 2015, o 1º Congresso de Missões. Teremos um momento de comunhão e crescimento espiritual, com pastores/preletores com ampla experiência em Missões, homens de Deus que transmitirão a mensagem do Senhor aos nossos corações, e cremos que será benção! 
Agende-se! programe-se!  Monte a sua caravana! Você não pode perder!

MARCAS DO HOMEM DE DEUS


MARCAS DO HOMEM DE DEUS
1 Timóteo 3.1-7
 
                A Bíblia conta que “Certo dia, passou Eliseu por Suném, onde se achava uma mulher rica, a qual o constrangeu a comer pão. Daí, todas as vezes que passava por lá, entrava para comer. Ela disse a seu marido: Vejo que este que passa sempre por nós é santo homem de Deus. Façamos-lhe, pois, em cima, um pequeno quarto, obra de pedreiro, e ponhamos-lhe nele uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro; quando ele vier à nossa casa, retirar-se-á para ali” (2 Reis 4.8-10). Esta história fala de um homem que serve de exemplo para os presbíteros e os pais de nossos dias.
                2 Timóteo 3.1-7 apresenta qualidades daqueles que lideram nos serviço da Igreja, que é, por excelência, uma grande obra. 
                Eliseu foi uma pessoa merecedora de confiança e reconhecido como santo homem de Deus. Não havia preocupação por parte das pessoas em tê-lo em casa. E os que lideram na igreja hoje não devem ser diferentes. E mais, como recomenda o apóstolo Paulo: sejam homens irrepreensíveis, sem repreensão, embora continuem pecadores; fieis à aliança feita no dia em que se casaram, embora haja tentações; temperantes, embora as provocações estejam presentes; modesto, quando muitos buscam a fama; hospitaleiro, quando há desconfiança; capaz de ensinar a Palavra, apesar das muitas ocupações; não chegado à bebida, ainda que as festas sejam muitas; líder no lar, não obstantes as mudanças de comportamento na sociedade; maturo na fé, a pesar da confusão espiritual.
                Devido à influência dos meios de comunicação, vemos hoje o aumento do número de pessoas tatuadas. São marcas no corpo, feitas por algum motivo. O mais importante é o reflexo da marca deixada em nós pelo Espírito Santo de Deus. As qualidades abordadas aqui estão relacionadas com a presença do Espírito Santo em nós e ficam bem também nos pais, que devem liderar em seus lares.

                Parabéns aos presbíteros e AOS pais
                                Rev. Mário Lopes