domingo, 27 de outubro de 2013

QUEM PODE TER COMO CERTA A SALVAÇÃO?


João 3.16-21

            Há quem viva na ilusão de que esteja salvo. É uma esperança carnal, que desaparecerá com o passar do tempo. Mas há, de fato, quem possa viver certo de salvação e com morada garantida na glória. A esses Jesus disse: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vos teria dito. Pois vou preparar-vos lugar” (Jo 14.1-2).
             João 3.16-21 fala do amor de Deus e da missão de Jesus, esclarecendo muito bem sobre o que acontece quando Jesus não é aceito.
            Para responder à pergunta sobre quem pode ter como certa a salvação, algumas evidências devem ser consideradas:
            a) A graça e a salvação tornam-se visíveis na vida de quem obedece ao Evangelho. Esta evidência vem depois do reconhecimento da completa ruína espiritual.
            b) A consciência da salvação leva a pessoa a buscar atitudes que, naturalmente, provocam na sociedade sentimentos de rejeição em relação a ela.
            c) Há mudanças objetivas na vida da pessoa que espera morar no céu. O pensamento, os desejos e as ações mudam por amor a Cristo. É a presença de Deus na vida do pecador levando-o a ser a pessoa que Deus quer que ele seja.

            Depois das evidências, afirmamos que viverá eternamente quem verdadeiramente crer no Senhor e o ama com sinceridade. Estas atitudes devem acompanhar todas as evidências aqui consideradas. Se você crê em Jesus, pode então ter a certeza da Salvação.

Rev. Mário Lopes

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Os Eleitos do Senhor Jesus

2 João 1-11
O que somos e como vivemos? Se somos crentes, não devemos viver como ímpios.
João é o presbítero que se dirige a uma senhora eleita e a seus filhos, falando sobre o que deve nos interessar ainda hoje. Em sua carta, escrita próximo do ano 90, João enfatiza sobre a importância da verdade.
Vejamos alguns elementos relacionados aos eleitos do Senhor:
Convicção
A igreja é formada pelos que conhecem a verdade. Se ainda não conhece a verdade, a pessoa não pertence à família do Senhor. A verdade é Jesus. Por causa de Jesus, formamos a comunidade que vive convicta da graça, da misericórdia, da alegria.
O fundamento
"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." (1 João 4:8). Deus é amor, é o que a Bíblia diz. E foi o amor de Deus que o motivou a enviar Jesus para salvar os que são seus por amor. Logo, o funcionamento da Igreja deve estar baseado no amor. Os irmãos devem viver em amor. E o pedido do apóstolo João à pessoa para quem ele escreve é que amem uns aos outros. Atitude esta que deve ser praticada por todos os que conhecem a verdade.
Podemos confiar que uma pessoa melhorará pelo amor, mas isto vai exigir paciência. Neste ponto o apóstolo Tiago diz: “Sede, pois, irmãos pacientes, até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas” (Tg 5.7).
As ameaças
Jesus contou a parábola do joio e do trigo para ensinar que estarão no meio dos salvos os que não irão para a glória, representando uma ameaça para todo o trabalho da Igreja. Por serem muito parecidos com os servos do Senhor, os maus confundem e enganam, provocam contendas e etc. Agora, depois de ouvirmos esta palavra, não comecemos a julgar uns aos outros. Pode acontecer que alguns bons, influenciados pelos maus, ajam como tal, o que não é bom.  Cabe ao Senhor Jesus, quando da sua volta, separar os bons dos maus. No tempo do apóstolo João já se fazia advertência sobre o perigo que representavam os falsos mestres.
Somos eleitos de Deus, convencidos da verdade para viver em amor e vencendo o mal.  

OS ELEITOS DO SENHOR JESUS

2 João 1-11
O que somos e como vivemos? Se somos crentes, não devemos viver como ímpios.
João é o presbítero que se dirige a uma senhora eleita e a seus filhos, falando sobre o que deve nos interessar ainda hoje. Em sua carta, escrita próximo do ano 90, João enfatiza sobre a importância da verdade.
Vejamos alguns elementos relacionados aos eleitos do Senhor:
Convicção
A igreja é formada pelos que conhecem a verdade. Se ainda não conhece a verdade, a pessoa não pertence à família do Senhor. A verdade é Jesus. Por causa de Jesus, formamos a comunidade que vive convicta da graça, da misericórdia, da alegria.
O fundamento
"Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor." (1 João 4:8). Deus é amor, é o que a Bíblia diz. E foi o amor de Deus que o motivou a enviar Jesus para salvar os que são seus por amor. Logo, o funcionamento da Igreja deve estar baseado no amor. Os irmãos devem viver em amor. E o pedido do apóstolo João à pessoa para quem ele escreve é que amem uns aos outros. Atitude esta que deve ser praticada por todos os que conhecem a verdade.
Podemos confiar que uma pessoa melhorará pelo amor, mas isto vai exigir paciência. Neste ponto o apóstolo Tiago diz: “Sede, pois, irmãos pacientes, até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas” (Tg 5.7).
As ameaças
Jesus contou a parábola do joio e do trigo para ensinar que estarão no meio dos salvos os que não irão para a glória, representando uma ameaça para todo o trabalho da Igreja. Por serem muito parecidos com os servos do Senhor, os maus confundem e enganam, provocam contendas e etc. Agora, depois de ouvirmos esta palavra, não comecemos a julgar uns aos outros. Pode acontecer que alguns bons, influenciados pelos maus, ajam como tal, o que não é bom.  Cabe ao Senhor Jesus, quando da sua volta, separar os bons dos maus. No tempo do apóstolo João já se fazia advertência sobre o perigo que representavam os falsos mestres.
Somos eleitos de Deus, convencidos da verdade para viver em amor e vencendo o mal.  

terça-feira, 1 de outubro de 2013

O Arrependimento


                                                                Marcos 1.14-15

A preocupação em estar bem com a sociedade existe. Isto pode significar “pontuar” com os homens. Mas existe a preocupação em estar bem com Deus?
O texto de Marcos 1.14-15 menciona a prisão de João Batista, que foi o precursor de Jesus, e diz que Jesus foi para a Galiléia pregando o evangelho de Deus. Na sua mensagem, o Senhor pregava que o tempo estava próximo, e que era necessário arrependimento e crença no evangelho.
Para estar bem com Deus é necessário arrependimento, graça esta que deve ser pregada e entendida. Por que o arrependimento?
O pecado representa perigo
Sem arrependimento o pecador estará sempre em perigo, “porque o salário do pecado é a morte”. O tempo está próximo. Não há muito o que esperar e fazer, somente Cristo é a solução.
O pecado é contrário à Lei de Deus
A odiosidade pelo pecado deve surgir pelo fato de ser ele contrário à natureza e à Lei de Deus. Os mandamentos do Senhor são claros. A vontade de Deus está revelada na sua Palavra.
Consciência da misericórdia de Deus
O pecador, contrariando sua natureza pecaminosa e evitando fazer o mal, espera na misericórdia de Deus manifestada em Cristo Jesus, ser perdoado, desejando fazer a vontade de Deus.
Quem vê Jesus e o aceita, arrepende-se e está livre da morte. Mais ainda, sabendo que o pecado é contrário à Lei de Deus, pode contar com a misericórdia do Senhor.