domingo, 17 de setembro de 2017

Deus e a família

DEUS E A FAMÍLIA
Gênesis 1.26-28

            Definições de família: “Conjunto de pai, mãe e filhos” (Dicionário Escolar da Língua Portuguesa); “marido, mulher e filhos” (Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa). Os dicionários parecem concordar com a Bíblia. A Bíblia diz que, para formar a família, Deus criou o homem e a mulher que, unidos, geraram filhos. As definições consideradas aqui e o que a Bíblia diz revelam uma natureza humana que depõe contra qualquer tentativa de transformar qualquer “coisa” em a família.

sábado, 9 de setembro de 2017

Vai Brasil!




VAI BRASIL!

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”
(João 8.32).

            “Minha pátria para Cristo é a minha petição”, isto é o que cantamos com a congregação. E esta deve ser a oração que deve ser constante em favor de um país que foi liberto, mas continua cativo; um país que deseja ir, mas escolhe caminhos que não levam a lugar algum; um país religioso, mas sem Deus. A verdadeira libertação inclui estar livre da idolatria, da corrupção, da superstição.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Se Deus é por nós, quem será contra nós?




SE DEUS É POR NÓS
QUEM SERÁ CONTRA NÓS?
Romanos 8.1-32

            Algumas convicções nos acompanham. E o que é surpreendente é que algumas que deveriam estar esquecidas ainda estão tão vivas na mente de muitos crentes, atrapalhando o crescimento.  Mas, e sobre a verdade expressa no título desta mensagem?

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

FILHO – ALEGRIA DO PAI




FILHO – ALEGRIA DO PAI
Gênesis 22.1-19

Nem todo filho dá alegria ao pai. Por que uns vão bem, outros vão mal? Teria alguma coisa a ver com a vida espiritual? A preocupação desassociada da palavra do Senhor faz que nos encaminhemos em direções que não produzem resultados positivos, embora acreditemos que estejamos no caminho certo. Acabamos vendo o filho crescer, mas sem “crescimento”.

domingo, 2 de julho de 2017

O verdadeiro discipulado


O VERDADEIRO DISCIPULADO
Mateus 16.24-28

            Aprendemos a fazer as coisas de um jeito e não questionamos porque a coisa sempre foi feita do modo como fazemos. Os resultados não são bons, mas não nos animamos a fazer de um modo diferente, o que poderia ser a maneira correta de se fazer o que está sendo feito. É mais ou menos assim com o discipulado. Fazemos baseados num programa, mas sem atentar que o modo como fazemos pode não ser o melhor. Devemos, então, aprender que fazer discípulo não é proselitismo (tentativa para converter pessoa a entrarem para a religião). Fazer discípulo vai muito além, como veremos.